domingo, 26 de abril de 2009

Filomedusa no Conexão Vivo

Em Belo Horizonte, desde a manhã deste sábado, 25 de abril, para participar do Conexão Vivo, um dos maiores projetos com foco na circulação musical do país. O “Conexão” tem um formato bastante interessante, que pode ser reproduzido ou replicado em outros estados. Talvez, uma boa opção para oxigenação do Projeto Pixinguinha, da FUNARTE, seja dar uma guinada no sentido de adotar a lógica aplicada no “Conexão”.

Em síntese, o “Conexão” se fundamenta na estratégia de constituição de um pool de projetos semelhantes, aprovados previamente pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Estado de Minas Gerais, os quais, associados, potencializam as suas respectivas rubricas destinadas à passagens, hospedagem, alimentação, despesas com transporte, sonorização, dentre outras e, assim, financiados por um patrocinador único (VIVO Celular), que investe, no mínimo, 20% de contrapartida nos mesmos, permite a concretização de um grande circuito itinerante de apresentações musicais em circulação pelos municípios de Minas Gerais. Encerra com uma programação de uma semana inteira de shows na capital Belo Horizonte, com bandas e músicos que integraram o circuito itinerante, além de convidadas de outros estados.

Nesse ano, além das caravanas e shows o projeto agregou à sua programação a 2ª edição do Seminário Internacional "Música & Movimento", ciclo de reflexões composto por diversos painéis e debates. Participei, na tarde de sábado, da mesa redonda intitulada “As alterações no financiamento público à cultura e os impactos no setor da música”, junto ao Thiago Cury (FUNARTE) e Afonso Luz (SPC/MinC), com mediação do grande amigo Israel do Valle, oportunidade em que pude abordar as principais alterações na proposta da nova Lei Federal de Fomento e Incentivo à Cultura, bem como o impacto deste conjunto de alterações nos Estados e Municípios.

Na noite do mesmo sábado, a Filomedusa se apresentou em um dos palcos instalados no Parque Municipal. Público receptivo, volumoso, o maior para o qual a banda já se apresentou nesses 2 anos e meio de vida. Equipe de sonorização muito profissional, som cristalino... Satisfação enorme em tocar mais uma vez em Belo Horizonte (a primeira vez foi em 2008, na Obra, na turnê que encerrou com o show da Virada Cultural em Sampa), principalmente em um projeto que já vai para a sua 10ª edição, com um prestígio muito grande perante o público e a classe artística de Minas Gerais. Parabéns ao Maurílio Kuru e a toda equipe da “Cria Cultura”, entidade gestora e produtora do projeto, bem como à turma dos coletivos que integram o Circuito Mineiro de Música Independente (CMMI), braço mineiro do Circuito Fora do Eixo de Música Inependente.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Alguém aí já leu Habermas?


Jürgen Habermas, filófoso alemão da famosa Escola de Frankfurt, aluno de Adorno, é autor da teoria da ação comunicativa, dentre outras ultra-mega-power-cabeçudas teorias das ciências sociais da atualidade (sim, atualidade, porque o cabôco ainda está vivo... e atuante!!!). É um dos meus cientistas sociais favoritos (o que não quer dizer que Eu possua leituras profundas da – e sobre a – obra do cidadão), ao lado de Alain Touraine, Anthony Giddens, Boaventura de Souza Santos, Eric Hobsbawn, Immanuel Wallerstein, Jeremy Rifkin, Manoel Castells e Norberto Bobbio.

Dentre as suas obras destacam-se: "Mudança estrutural na esfera pública", "Teoria da ação comunicativa", "Consciência moral e agir comunicativo", "Direitos humanos e democracia: entre facticidade e validade", "A constelação do pós-nacional" e "A inclusão do outro".

Seu conceito de sociedade transpassa o entendimento clássico das ciências sociais, a partir do qual dividimo-la em três esferas: Estado, Mercado e Sociedade Civil.

Quando estava escrevendo minha dissertação de mestrado, tive de (obrigatoriamente) abordar alguns aspectos da indigitada teoria, pois dizia respeito à teoria de base por mim adotada como referencial teórico do trabalho. Dada a complexidade da obra, acabava fazendo uns “rabiscos” para tentar apreender alguma coisa...

O esquema acima é a representação gráfica mais tosca que um ser humano pode produzir a respeito de uma teoria filosófica altamente densa e complexa. Se Habermas visse isso, ficaria muito orgulhoso... Se você conseguir entender algo, vai ganhar um toffee da nestlé, daqueles que grudam no céu da boca e só saem na hora de escovar os dentes, à noite...

Clique na imagem para visualização ampliada.

Saiba mais sobre Habermas aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/J%C3%BCrgen_Habermas

terça-feira, 21 de abril de 2009

Bandas e músicas bacanas

Chegando da Terra Indígena Puyanawa, na tarde dessa segunda-feira, e já aterrissando na Casa da Cultura, para integrar-me aos trabalhos da Comissão de Análise de Mérito, último estágio do edital para seleção de projetos para a Rede de Pontos de Cultura do Estado do Acre. Feriado, só na vontade...

Mas, para quem feriou e para arejar os ares da semana que, verdadeiramente, se inicia nesse pós Tiradentes, aproveita aí as dicas:

www.myspace.com/caldodepiaba
www.myspace.com/deusesdakaaba

Abraços!

domingo, 19 de abril de 2009

Ações afirmativas para as culturas indígenas do Acre

Estou no município de Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do Acre, envolto nos preparativos para o deslocamento ao município de Mâncio Lima, na manhã desta segunda-feira, onde haverá o lançamento do edital do Prêmio Estadual de Culturas Indígenas, além do anúncio, pelo Governador do Estado, de um conjunto de investimentos governamentais destinados às comunidades indígenas.

O prêmio faz parte do conjunto de ações que constituem o "Programa de Valorização dos Povos Indígenas", do Governo do Acre. Integra o componente "Valorização e Fortalecimento das Identidades Culturais dos Povos Indígenas".

A política de valorização da cultura indígena, por sua vez, está fundamentada no reconhecimento das identidades e da diversidade cultural acreana. Os programas, projetos e ações, em consonância com a Política Nacional de Cultura, explicitada no projeto de lei do Plano Nacional de Cultura e nas ações do Ministério da Cultura, incluem o estímulo à formação, produção, circulação e difusão de bens e serviços culturais que expressem as diversas linguagens e formas de manifestação da cultura indígena. São ações concretas, que refletem tais orientações, a realização do V Encontro de Cultura Indígena do Acre e Sul do Amazonas, realizado em 2008, a publicação da revista "O Acre Indígena", no prelo, e agora, o lançamento do edital do Prêmio Estadual de Cultura Indígena.

Para acompanhar a cobertura das atividades, acesse www.agencia.ac.gov.br

E por falar em Cultura...

O texto abaixo não é de minha autoria. É de Alfredo Manevy, Secretário Executivo do Ministério da Cultura. Diz respeito ao fato de que 2009 é um ano decisivo para os destinos das políticas públicas de cultura em nosso país. O assunto tem ocupado relevante espaço na grande mídia nas últimas semanas, em especial porque veio à público, no dia 23 de março último, o projeto de lei que visa instituir o Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (PROFIC), em substituição ao Programa Nacional de Apoio à Cultura (PRONAC), instituído pela ainda vigente Lei Rouanet.

Vale a leitura, por enquanto, como "teaser". Postarei novidades sobre o PROFIC na semana que vem, quando o Acre receberá a visita do Secretário Roberto Nascimento, da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura (SEFIC/MinC), no dia 24 (sexta-feira) à tarde, lá Filmoteca da Biblioteca Pública, para encontro com a sociedade acrena a fim de debater a proposta do projeto de lei em questão.

Até!

2009 é um ano estratégico para a cultura, pois chegam ao parlamento brasileiro um conjunto de projetos de lei e emendas constitucionais que reforçam os alicerces institucionais e orçamentários da política pública de cultura.

Nesse sentido, Ministério da Cultura, Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura, Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura e Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Cultura propõem um programa de encontros estaduais entre secretários, conselheiros estaduais, campo cultural e parlamentares de todos os partidos políticos integrantes da Frente.

Este esforço deverá ser concluído até o final de abril de 2009, antes do início das conferências estaduais e municipais, garantindo igualmente tempo hábil para a aprovação das medidas.

O conjunto de encontros será concluído em Brasília, em maio de 2009, em reunião no Congresso Nacional com o Ministro da Cultura, os parlamentares da Frente em Defesa da Cultura, artistas, produtores e demais representantes do campo cultural.

Os encontros têm por objetivo garantir no Congresso Nacional presença política para tramitação e aprovação da pauta: PEC 150, PEC 236, PEC 416, Projeto de Reformulação da Lei Rouanet, Projeto de Reformulação da Lei do Direito Autoral e aprovação do Plano Nacional de Cultura.

Este conjunto de leis e emendas à constituição é também parte do esforço de enfrentamento da crise econômica, garantindo os instrumentos necessários ao desenvolvimento das atividades culturais no país.

Pra começo de conversa

Bem, já estava mais do que na hora. Com Orkut, Facebook, Twitter, Skype, MSN, conta de e-mail pessoal, conta de e-mail institucional, meia dúzia de g-mails e toda uma suite de soluções informatizadas e interativas do Google a disposição dos cidadãos internéticos, ter ou não ter um blog pode aparentar ser, tão somente, uma opção por mais uma ferramenta de comunicação on-line qualquer. Mas não é bem assim. Os blogs são, verdadeiramente, os responsáveis pela democratização da comunicação. Sejam eles utilizados para produção literária, jornalística ou mesmo para estabelecimento de uma simples rede de troca de idéias entre amigos, foram os blogs a ponta de lança dos outros suportes de mídia eletrônica voltadas para o relacionamento on-line. Justo um dos primeiros, acesso por último. Não prometo nada, nem tenho grandes pretensões. Mas vou postar algumas idéias, com uma frequencia nada cartesiana, para espraiar um pouco. Abraços a todos.